Classificação dos Psicofármacos

Medicamentos em psiquiatria
Psicofármacos

Para melhor compreensão, os psicofármacos são classificados em relação à sua função geral. Apesar de não ser precisa e causar certa confusão – principalmente no meio não-acadêmico – essa classificação facilita a comunicação com o paciente.

De forma geral, os psicofármacos são classificados como antidepressivos, antipsicóticos, estabilizadores de humor, ansiolíticos e estimulantes. Alguns psicofármacos, entretanto, não se encaixam nessas classificações gerais, pois são utilizados para tratamento de transtornos psiquiátricos diversificados. Os antidepressivos, por exemplo, contemplam um grande número de psicofármacos que, além de serem utilizados para transtornos depressivos propriamente ditos, são aplicados no tratamento dos transtornos ansiosos, pânico, ansiedade social, obsessivo-compulsivo, estresse pós-traumático, disforia menstrual e pré-menstrual, depressão pós-parto, tratamento auxiliar de transtornos alimentares, transtorno no uso de substâncias, nos tiques, hipocondria e outros tipos. Pode ser usado também como coadjuvante no tratamento do transtorno bipolar do humor, na esquizofrenia e em outros transtornos bem definidos.

Os medicamentos classificados como antidepressivos atuam em diferentes receptores dos neurônios; alguns atuam em mecanismos que envolvem outros aspectos das células nervosas. A despeito das semelhanças entre si, os antidepressivos apresentam perfis de ação bem distintos. Por esse motivo, é necessário considerar vários fatores para sua prescrição. Cada um deles apresenta benefícios específicos e, por sua vez, efeitos colaterais distintos.

Porque alguns tratamentos utilizam mais de um medicamento?

Ao longo dos anos de acompanhamento clínico e pesquisas, observou-se que, não obstante auxiliar no estudo e tratamento, a classificação dos transtornos mentais não pode ser seguida à risca, como se fosse uma entidade estanque e totalmente delimitada. Muitas vezes esses estados mentais se misturam; em psiquiatria, essa concomitância é chamada de comorbidade, ou seja, a ocorrência de mais de um transtorno ao mesmo tempo.

É muito comum ocorrer que uma pessoa que esteja com depressão apresente, ao mesmo tempo, sintomas compatíveis com transtorno de pânico, transtorno de ansiedade generalizada e fobias específicas. Nesse caso, por exemplo, a pessoa apresenta transtorno depressivo e comorbidade com pânico ou transtorno de ansiedade generalizada. Outra situação comum é alguém estar com um transtorno depressivo com predominância de sintomas ansiosos e, contudo, não apresentar intensidade suficiente para caracterizar transtorno ansioso.

Dependendo da intensidade dos sintomas, ambos os exemplos citados exigem, às vezes, a utilização de benzodiazepínicos (ansiolíticos) para alívio dos sintomas até que o medicamento principal – no caso, o antidepressivo – faça o efeito necessário. Às vezes, para melhorar o efeito de um antidepressivo que não está respondendo adequadamente, é necessário entrar com outro medicamento para obter sinergia, ou seja, para que o efeito conjunto dos dois medicamentos seja melhor do que um só, mesmo em dose maior.

Em alguns casos, além dos sintomas depressivos ou ansiosos, existe comorbidade com quadros clínicos bem distintos, tais como TDAH, TOC ou bulimia, transtornos esses bem diferentes da depressão.

Posts Relacionados